Uso sustentável de recursos hídricos na produção de alimentos


Uso sustentável de recursos hídricos na produção de alimentos

Artigo produzido pela Profª Drª Silvia Conceição Reis Pereira Mello – Docente e Pesquisadora do Programa de Pós-Graduação em Desenvolvimento Local UNISUAM


O Brasil apresenta um alto potencial no uso sustentável de recursos hídricos. Cerca de 12% de toda a água doce existente no mundo se encontram em território brasileiro. Desse volume, 64,7% é usado na agricultura, 24,9% engloba o consumo humano e a dessedentação de animais domésticos e silvestres e 13,9% é utilizado pelo setor industrial.

A aquicultura se destaca na produção de alimentos em todo o mundo. Dessa forma, a criação e o cultivo de organismos aquáticos contribuem de maneira significativa na geração de emprego e renda.


(Leia mais: Desenvolvimento de biomaterial com resíduos da aquicultura reduz custos hospitalares)



De acordo com levantamento do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística – IBGE, o Brasil produziu, em 2014, 476.522 toneladas de pescado da aquicultura.  O consumo per capita passou de 9,0 quilos, em 1961, para 20,2 quilos, em 2015.

A Food and Agriculture Organization – FAO estima que, em 2030, a comercialização de pescado no mercado internacional seja incrementada, principalmente, com a venda de derivados de diversos tipos.

Na produção de organismos aquáticos, o uso sustentável da água é extremamente necessário. Na utilização de sistemas de recirculação de água, os efluentes dos tanques de criação passam por filtragem biológica e retornam para esses mesmos tanques, o que viabiliza o uso mínimo de água para reposição dos tanques, evita a liberação de efluentes nos corpos de água receptores e o escape de animais da criação para o meio ambiente. 

Nesses sistemas, todo o tipo de automatização do manejo pode ser empregado, destacando-se o controle da temperatura da água, o monitoramento de variáveis químicas da água, a dispensa de ração por alimentadores automáticos e ainda é possível controlar, remotamente, o funcionamento dos sistemas implantados por meio de aplicativos operados em celulares.

Os produtos da aquicultura são utilizados no desenvolvimento de produtos alimentícios que conferem benefícios à saúde. Os alimentos funcionais, que já correspondem de 5 a 7% do mercado mundial, têm despertado um crescente interesse dos consumidores, que buscam nesses alimentos, além da sua função básica de nutrir, benefícios adicionais à saúde.


(Leia mais: Pesquisa do Mestrado em Desenvolvimento Local UNISUAM obtém aprovação de patente que será apresentada em congresso na Colômbia)



Dentre os Objetivos de Desenvolvimento Sustentável – ODS, agenda mundial adotada durante a Cúpula das Nações Unidas sobre o Desenvolvimento Sustentável, que ocorreu em 2015, composta por 17 objetivos a serem alcançados até 2030, destaca-se o objetivo 2: “Acabar com a fome, alcançar a segurança alimentar e melhoria da nutrição e promover a agricultura sustentável”. A produção de pescado e seus derivados se destacam no alcance desse objetivo. 


No desenvolvimento de novos produtos, a indústria deve prospectar a disponibilidade de matéria-prima e as tecnologias disponíveis. Para prosseguir, deverá definir a formulação, o processo, conhecer o prazo de validade e iniciar os testes sensoriais.

A validação do produto para lançamento no mercado deve considerar os meios para elaboração do produto, embalagem, divulgação, definição de vendas e distribuição. 


(Leia mais: Pesquisadora e Docente do curso de Biologia e do Mestrado em Desenvolvimento Local UNISUAM é premiada pelo CRMV-RJ)


A inovação na industrialização de pescado e derivados atenderá aos anseios dos consumidores em relação ao valor nutricional do alimento, praticidade no preparo e facilidade de armazenamento, contribuindo para o aumento do consumo e fortalecimento da cadeia produtiva da aquicultura. 

“Acabar com a fome, alcançar a segurança alimentar e melhoria da nutrição e promover a agricultura sustentável” e a produção de pescado e seus derivados se destacam no alcance desse objetivo. 

No desenvolvimento de novos produtos a indústria deve prospectar a disponibilidade de matéria-prima e as tecnologias disponíveis. Para prosseguir deverá definir a formulação, o processo, conhecer o prazo de validade e iniciar os testes sensoriais. A validação do produto para lançamento no mercado deve considerar: os meios para elaboração do produto, embalagem, divulgação, definição de vendas e distribuição.  A inovação na industrialização de pescado e derivados atenderá os anseios dos consumidores, em relação ao valor nutricional do alimento, praticidade no preparo e facilidade de armazenamento contribuindo para o aumento do consumo e fortalecimento da cadeia produtiva da aquicultura. 




Quer estudar com a gente?

MATRÍCULAS ABERTAS

Conheça o Mestrado em Desenvolvimento Local UNISUAM!


Para mais informações, ligue (21) 3882-9797










Deixe seu comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Nenhum comentário