Nunca é tarde para realizar um sonho: Sr. Laurindo, 74 anos, conclui a Graduação em Educação Física UNISUAM


Nunca é tarde para realizar um sonho: Sr. Laurindo, 74 anos, conclui a Graduação em Educação Física UNISUAM

Ao longo de 45 anos, diversos alunos já passaram pelas salas de aula da UNISUAM, mas um ganhou destaque no primeiro semestre de 2017: Laurindo da Silva.

Sr. Laurindo, 74 anos, ingressou no curso de Licenciatura em Educação Física no segundo semestre de 2011. Morador de Japeri, ele é o patriarca de uma família com quatro filhas – frutos do seu primeiro casamento, seis netos e dois bisnetos, além de estar prestes a completar 11 anos de casado com a Luísa Onorina, 52 anos, sua atual esposa.

O aluno conta que sua história no Rio de Janeiro começou na década 60, quando ele ainda era muito jovem. Ele se recorda que veio de Recife-PE para cá apenas com o Ensino Básico, na companhia da sua mãe e seus seis irmãos, em busca de novas oportunidades de trabalho.

Já na fase adulta, ele trabalhou como pintor de automóveis e, devido às irregularidades na sua antiga empresa, acabou se aposentando por idade e não pela função. Hoje, ele vive com uma aposentadoria de um salário mínimo e se envaidece em dizer que conseguiu se formar na área que sempre gostou de atuar, mesmo ganhando uma quantia tão baixa.

IMG-20170809-WA0016

Com mais de 420 medalhas e 50 troféus por mérito das suas participações em grandes competições do cenário do Atletismo brasileiro, tais como Travessia da Ponte Rio-Niterói, ter corrido em 20 edições da tradicional Corrida de São Silvestre, além de ter feito mais de 20 Maratonas por todo o Brasil e 30 Meias Maratonas, Sr. Laurindo diz que começou sua carreira no esporte nos anos 80 e logo expõe que acreditava que apenas isso não bastava e, então, resolveu ingressar em uma Graduação.

Ele conta que, antes de se tornar atleta, trabalhou em um Aeroclube próximo à FIOCRUZ e sempre chegava antes do horário. Laurindo aproveitava, então, para praticar algumas voltas de corrida na pista do clube. Foi então, que, a partir daí, ele tomou gosto por praticar esportes. “Comecei a correr porque sempre acreditei que praticar exercícios faz bem para a saúde de uma pessoa. É difícil encontrar um atleta que tenha algum vício e eu não bebo e nem fumo. Meu único vício é a dança”, comenta o formando que, entre uma corrida e outra, costuma sair nos finais de semana para colocar em dia os passos de dança de salão que aprendeu em um curso feito em outra Instituição de Ensino

Esforçado e com uma frequência exemplar na sala de aula, o aposentado lamenta por não ter conseguido concluir o curso nos semestres anteriores. De acordo com ele, o percurso de casa até a faculdade é muito desgastante para um senhor da sua idade. Contudo, ele nunca desanimou e enfatiza que só faltava aula quando caíam temporais ou acontecia algum imprevisto que pudesse atrapalhar seu trajeto até a faculdade.

Ele faz questão de dizer que nunca se sentiu discriminado entre seus colegas e professores. Sr. Laurindo ressalta, ainda, que, desde o 1º período, sempre foi respeitado e recebeu apoio dos colegas de turma, assim como também sempre se esforçou para estar totalmente integrado com os jovens. “Eu nunca me comportei com um idoso. Sempre estive no meio da moçada e era tratado de igual para igual por todos eles. Tanto as garotas, quanto os garotos, me tomavam como exemplo e me davam cada vez mais força para continuar esse sonho”, relata ele, complementando que aproveitava essa aproximação para passar para a garotada um pouco da sua experiência de vida.

IMG-20170803-WA0017

O veterano frisa que todos os docentes do curso foram bastante pacientes com o seu ritmo de aprendizado. O atleta demostra uma certa frustração por ter repetido a disciplina “Anatomia dos Sistemas” por 5 vezes, restando apenas ela em sua grade para que sua graduação fosse concluída. Sr. Laurindo ressalta que nunca quis ser tratado como prioridade e compreende que não estava apto para passar na matéria, visto que não conseguia atingir o grau necessário para eliminar a matéria da sua grade e, como o corpo docente nunca o beneficiou pelo fato ser idoso, ele acha justo todas essas reprovações. “Para mim igualdade é para todos”, avalia.

Após a 4º reprovação na disciplina, o Núcleo de Apoio Psicopedagógico – NAPP entrou em ação para dar suporte ao aluno que, enfim, conseguiu realizar uma boa prova. Sr. Laurindo conta que, para a última prova, passou muitas horas estudando no Laboratório, pois, mesmo sabendo o conteúdo, sentia muita dificuldade em fazer o exame dentro do tempo estipulado pelo Professor e isso acabava prejudicando seu desenvolvimento na hora de responder às questões. Com base nisso, a Profª Anne Patrícia Pimentel colocou o NAPP à disposição do aluno, acalmando-o e oferecendo toda assistência ao caso, se prontificando em amparar o estudante no dia da prova.

IMG-20170803-WA0018

Dessa vez, o idoso não tinha mais o relógio como inimigo. Ele realizou o teste na sala do NAPP, no seu tempo. Essa estratégia acabou dando certo e o Sr. Laurindo tirou uma boa nota, concluindo, então, o curso. “Fiquei mais tranquilo e fiz uma prova boa”, diz ele que se orgulha, também, pelo fato de ter concluído o curso com mais de 200 horas de atividades complementares sobrando, uma vez que, sempre que podia, participava de eventos e palestras realizadas pela Instituição.

Para ele, o incentivo da família também foi primordial em sua trajetória universitária. Quando Sr. Laurindo começa a falar do apoio que recebeu da família, logo destaca sua filha caçula, Michele, que foi uma das que mais o incentivou e o ajudou a conseguir a bolsa de estudos de 50%, possibilitando seu sonho virar realidade.

Ao ser perguntado por qual motivo essa ideia não havia sido concretizada antes, ele responde que preferiu primeiro se dedicar à criação de Cláudia da Silva, Cristiane Arruda da Silva, Iolanda Arruda Rezende e de Michele Arruda Rezende, suas 4 filhas. “Eu pensei: tenho que cuidar das minhas filhas para deixá-las bem situadas, para que elas nunca passem as dificuldades que eu passei”, diz sabiamente. O patriarca reforça, ainda, que hoje em dia suas filhas têm profissões como Fisioterapeuta, Cabo e Técnica de Enfermagem da Marinha do Brasil e que sua neta estuda Farmácia na Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro.

Apesar de se dedicar aos estudos, à vida de atleta e à família, o formando ainda arrumava tempo para estagiar em projetos do Ministério do Esporte e de algumas Escolas Municipais. No projeto do Ministério do Esporte, o PELC, ele atuou de 2010 até o início de 2017. Lá, ele recebia uma ajuda de custo para auxiliar os Professores na formação de crianças e adolescentes no Futsal e era muito admirado por todos. Já nas escolas, ele ajudava os Professores de Educação Física nas aulas de Ginástica, Corrida, Futebol e outros tipos de atividades para alunos do Ensino Fundamental e Médio.

Após a colação de grau, Sr. Laurindo planeja ingressar no Bacharel para estar capacitado a dar aulas em academias, mas, devido às suas condições financeiras, não sabe se terá como pagar as mensalidades mesmo sendo beneficiado com o desconto de 50% por ser Portador de Diploma. “Agora já sei como estuda e no Bacharel não terá essa tal de Anatomia (risos). Serão outras coisas, aí eu vou cair para dentro dos estudos com mais força”, afirma em tom bem-humorado.

Futuramente, o formando pensa em se dedicar ao projeto de construir, em sua cidade, um espaço com piscina de hidroginástica, massagem e outras atividades com o intuito de estimular outros idosos a praticarem exercícios físicos. “Quero fazer pelos outros o que ninguém fez por mim. Comprei um terreno e já paguei 29 prestações, murei e comprei alguns materiais de construção, porém estou em busca de um parceiro que me ajude dar continuidade”, diz esperançoso, mostrando a planta do projeto feito por um amigo Engenheiro como uma forma de ajuda.





Deixe seu comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

1 comentário

  • Avatar Adilson Leandro de Moraes disse:

    Sr. Laurindo nada melhor que ler uma história vivida e verdadeira. Sendo vizinho do do sr., pode contar comigo sempre.Não posso ajudar muito, mas, posso ajudar um pouco. Ruim seria se não pudesse ajudar nada. Meus parabéns e um abraço.
    Adilson L.M. .’.