Egressos UNISUAM participaram do Hackathon Rio de Janeiro


Egressos UNISUAM participaram do Hackathon Rio de Janeiro

egressos_1746

Nos dias 31 de agosto e 1º de setembro, a Prefeitura do Rio, em parceria com outras empresas, realizou o evento Hackathon Rio de Janeiro ­ Central de Atendimento 1746, um desafio que visava ao desenvolvimento de soluções tecnológicas que trouxessem benefícios para a população carioca.

Aberto para desenvolvedores, programadores, hackers ou outros envolvidos com desenvolvimento tecnológico, as soluções deveriam contemplar pelo menos uma das maiores demandas detectadas pela Central de Atendimento 1746: iluminação pública, estacionamento irregular, conservação de vias públicas e poda de árvores.

A equipe Brave, formada por quatro integrantes, participou do evento. Entre os componentes estavam três egressos UNISUAM: Edgard Araujo de Oliveira, Superior de Tecnologia em Informática; Leonardo de Paula Rosa Pereira, Superior de Tecnologia em Informática e Ciência da Computação; e Rodrigo Ribeiro dos Santos, Ciência da Computação.

Eles desenvolveram um protótipo para solucionar os problemas de estacionamento irregular baseado na tecnologia RFID, uma forma moderna de comunicação por rádio frequência. A solução desenvolvida consistia na implantação de um microchip, de baixo custo, nos automóveis e um sensor nas placas de “Proibido Estacionar”.

Ao estacionar em local proibido, o sensor da placa detecta o microchip acoplado no carro e envia essa informação diretamente para um sistema, também desenvolvido pela equipe Brave, para que um operador da Central 1746 localize a infração e possa, assim, enviar um guarda municipal ao local.

De acordo com Rodrigo Ribeiro a participação no evento foi uma maratona tecnológica, uma vez que trabalhou 27 horas sem parar no protótipo junto com sua equipe. Mas ele diz ter sido muito gratificante, pois teve a oportunidade de conhecer pessoas fantásticas, com mentes brilhantes, além de poder testar a própria determinação e resistência. Ele acredita, ainda, que esse tipo de evento deveria ser mais explorado.

As equipes foram avaliadas por uma comissão de jurados nas categorias: tecnologia, mobilização social e prêmio geral. Apesar de não terem vencido o concurso, o protótipo desenvolvido pela equipe Brave foi muito elogiado.

Segundo o Prof. Reinaldo Viana, Coordenador dos cursos de Ciência da Computação e Superior de Tecnologia em Informática da UNISUAM, este tipo de evento, além de dar visibilidade para o curso, é uma oportunidade para que os alunos possam enxergar na prática que têm potencial para atuar no mercado de trabalho.

 

 





Deixe seu comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Nenhum comentário