Dores muscoloesqueléticas, como a dor lombar, são um dos principais motivos de afastamentos do trabalho no Brasil


Dores muscoloesqueléticas, como a dor lombar, são um dos principais motivos de afastamentos do trabalho no Brasil

Artigo produzido pelo Prof. Dr. Leandro Alberto Calazans Nogueira – Docente e Pesquisador do Programa de Pós-Graduação em Ciência da Reabilitação UNISUAM

 

 

(Leia mais: Exercícios físicos devem ser prioridade entre pessoas com deficiência)

 

 

A dor musculoesquelética representa um problema de saúde pública devido ao seu alto impacto populacional e financeiro. Essa condição clínica é muito comum na área de reabilitação, com uma parcela considerável de casos representada por uma doença crônica não-transmissível, com maior frequência em mulheres e idosos, sendo, portanto, um dos focos da agenda de prioridades do Ministério da Saúde.

 

(Leia mais: Mestrado e Doutorado em Ciências da Reabilitação UNISUAM iniciam as suas primeiras turmas em Curitiba)

 

Meu interesse em pesquisar a dor musculoesquelética ocorreu ao longo dos 19 anos que exerço a carreira clínica como Fisioterapeuta e Osteopata e minhas áreas de interesse em pesquisa incluem dor musculoesquelética, terapia manual, educação em saúde e exercícios terapêuticos. Os projetos que conduzimos em nossa linha de pesquisa nos Programa de Pós-Graduação em Ciências da Reabilitação da UNISUAM envolvem a avaliação funcional em reabilitação, sob as dimensões biopsicossociais dos pacientes com dor musculoesquelética atendidos no Sistema Único de Saúde.

 

A dor lombar é a condição de saúde que melhor ilustra o impacto das dores musculoesqueléticas, uma vez que ela é a principal causa de incapacidade no mundo e o principal motivo de afastamentos do trabalho no Brasil. Além dos fatores biológicos (como músculos, ligamentos e articulações), fatores psicológicos (como ansiedade, estresse e depressão), fatores sociais (como isolamento social e estrutura inadequada para realização de atividade física) e o estilo de vida (como ser fumante e sedentário) afetam negativamente a coluna lombar dos indivíduos levando à uma redução da qualidade de vida e do bem-estar.

 

Portanto, educar as pessoas em relação aos diversos fatores que contribuem para a dor lombar, assim como fornecer opções de tratamento que envolvam exercícios e técnicas de terapia manual, fazem parte do gerenciamento adequado desta condição.

 

(Leia mais: Estudo realizado pelo Mestrado em Ciências da Reabilitação UNISUAM é divulgado em veículo internacional)

 

A utilização de intervenções adequadas terapia manual, educação em saúde e exercícios terapêuticos em pacientes com dores musculoesqueléticas aumenta a chance de sucesso do tratamento e reduz a chance de cronificação do paciente. Estas estratégias terapêuticas estão contempladas com pesquisas sobre a abordagem terapêutica em reabilitação, que visa a implementação de intervenções terapêuticas em diferentes níveis de atenção de pacientes com dores musculoesqueléticas atendidos no Sistema Único de Saúde.

 

Nossa contribuição para a Agenda 2030 para o Desenvolvimento Sustentável das Organização das Nações Unidas é direcionado em melhorar a compreensão, a gestão, a escolha de estratégias terapêuticas e a avaliação de resultados em pacientes com

 

(Leia mais: Livro com repercussão internacional tem colaboração de pesquisadores do Programa de Pós-Graduação em Ciências da Reabilitação UNISUAM)

 

 

 

Quer estudar com a gente?

 

MATRÍCULAS ABERTAS

 

 

 

Conheça os cursos de Mestrado, Doutorado e Pós-Doutorado em Ciências da Reabilitação UNISUAM!

Para mais informações, ligue (21) 3882-9797

 

 

 

 

 

Revisão: Luana Medeiros





Deixe seu comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Nenhum comentário