Conheça o grande vencedor do Prêmio UNISUAM 50 Anos de Incentivo à Adoção de Metodologias Ativas


Imagem do Post

Com cerca de 23.000 alunos, englobando Graduação e Pós-Graduação, distribuídos em 4 unidades das Zonas Norte e Oeste (Bangu, Bonsucesso, Campo Grande e Jacarepaguá), a UNISUAM tem como missão permitir o acesso a um ensino de qualidade, participando ativamente da melhoria dos processos educacionais do país.

Por acreditar nisso e, sobretudo, no modelo transformador de vidas que a educação possui, é que o Prof. Arapuan Netto, Reitor da Instituição, investe cada vez mais na busca por excelência e vem implementando ações, aliadas às novas tecnologias, para propiciar o acesso às pessoas a um Ensino de qualidade capaz de modificar as suas vidas.

As novas metodologias e conceitos de Ensino recebem atenção especial na UNISUAM, visando sempre oferecer o melhor ao aluno e desenvolver, cada vez mais, a ideia de se ter o corpo discente como atores principais no processo de aprendizagem.

A Instituição é a única IES do Rio de Janeiro a integrar o STHEM Brasil, que, atualmente conta com 14 Instituições de Ensino Superior brasileiras participantes. O consórcio, inédito no país, criado em março de 2014, em parceria com a Laspau – instituto filiado à Universidade de Harvard, dos Estados Unidos, tem como objetivo aplicar metodologias baseadas em modelos desenvolvidos nas melhores universidades do mundo, permitindo a capacitação de professores com custo mais acessível e igual qualidade por meio da abordagem de temas que giram em torno das possibilidades de combinar o desenvolvimento de habilidades cognitivas e o ensino de conteúdo com o pensamento crítico e compreensão dos conceitos durante o processo de ensino e aprendizagem.

Em comemoração aos 50 anos da Instituição e com o intuito de estimular o desenvolvimento, a implementação e a prática do uso de metodologias ativas no processo ensino-aprendizagem, a UNISUAM divulgou, em janeiro, o edital do Prêmio UNISUAM 50 Anos de Incentivo à Adoção de Metodologias Ativas, que garantia ao docente que apresentasse, no formato de artigo científico, o melhor relato de experiência ou prática de ensino-aprendizagem com adoção de metodologias ativas a participação no curso de Formação Professores do Futuro da Tampere University of Applied Sciences, na Finlândia, com todos os custos logísticos inclusos.

O grande vencedor foi o Prof. Rodrigo Linhares Lauria, do curso de Engenharia de Produção, que submeteu o artigo “Mídias sociais no apoio à educação: um estudo de caso da utilização no ensino de Engenharia”, um relato de experiência referente ao uso de metodologias ativas como ferramenta complementar no processo ensino-aprendizagem, que teve como plataforma o app Whatsapp.

“A ideia surgiu a partir da tentativa de utilizar o ambiente Moodle nas aulas. Porém, como os alunos não tinham pacote de dados disponível, apenas as redes sociais, foi criado um grupo no Whatsapp, com o objetivo de viabilizar o acesso imediato ao conteúdo complementar”, explica o docente.

De acordo com Prof. Rodrigo, a metodologia empregada foi a criação do grupo no aplicativo, com 54 integrantes (53 alunos + o professor), realizada, a seu pedido, por um aluno. Como conclusão, verificou-se o surgimento de um “efeito colateral”, em que os alunos começaram a utilizar o grupo para tirar dúvidas da matéria entre eles mesmos.

rede

“O grupo, com esta função, funcionou muito bem atingindo, em pouco tempo, todos os alunos da turma. O conteúdo complementar era difundido, de uma forma prática e imediata, fazendo com que economizássemos tempo, que era revertido em discussões, aprofundamento e realização de exercícios”, destaca ele.

Prof. Rodrigo ressalta, ainda, que em um segundo momento começaram a utilizar o grupo para buscar respostas de exercícios.  Por fim, foi atingido o grande potencial da aprendizagem compartilhada gerada pelo grupo, começaram a postar exercícios resolvidos, a tirar dúvidas uns dos outros, não apenas de exercícios, mas também de partes do conteúdo. Este movimento foi aumento gradativamente até que, às vésperas da primeira avaliação, passou de duas centenas de mensagens trocadas entre os alunos.

grafico_2

“Vale a pena comentar que quando iniciou esta movimentação no grupo, por solicitações de resultados de questões e dúvidas sobre partes do conteúdo, o mais comum seria imaginar que o professor acabaria sendo procurado para apoiar e sanar estas questões, mas, para a minha surpresa, em nenhum momento foi requisitada a minha intervenção, tornando-se os próprios alunos docentes e discentes nesse processo de aprendizagem compartilhada”, conta Prof. Rodrigo.

Uma análise preliminar da quantidade de participações versus resultados da primeira avaliação revelou que os alunos que utilizaram regularmente o grupo, ou seja, que buscaram antecipadamente a ferramenta para a prática da aprendizagem e da troca de experiências/ informações, apresentaram um resultado 64% melhor do que aqueles alunos que buscaram uma participação ativa no grupo apenas no dia da mesma.

grafico

Para o docente, é de extrema importância mencionar que a análise realizada é apenas um viés do potencial que a utilização das redes sociais no processo de aprendizagem pode alcançar, uma vez que não foi analisado, por exemplo, os acessos no grupo por alunos que simplesmente não sentiram necessidade de postar mensagens, pois possivelmente sanaram as suas dúvidas por meio do conteúdo que os demais participantes haviam disponibilizado no grupo.

“A utilização da aprendizagem compartilhada, por suas características de integração social e colaboração, tem o potencial de ser uma das ferramentas mais importantes no processo do ensino híbrido, além de gerar no docente uma grata sensação de motivação em ver os seus alunos em um movimento tão sinérgico de aprendizagem”, finaliza ele.

logo-sthem-mobile-retina

Saiba mais sobre a prática do uso de metodologias ativas na UNISUAM!

 

Minicurrículo

Mestre em Gestão e Estratégia em Negócios  pela Universidade Federal Rural  do Rio de Janeiro – UFRRJ. Graduado em Engenharia Mecânica pela Universidade Federal do Rio de Janeiro – UFRJ.

Atualmente é professor do curso de Administração da UFRJ e professor do curso de Engenharia de Produção UNISUAM. Até final de 2015 atuou como Gerente de Fabricação da fábrica de pneus de ônibus e caminhão da Companhia Brasileira de Pneumáticos Michelin. Possui 16 anos de experiência profissional bem diversificada, adquirida na área industrial de grandes empresas, atuando na área de Organização & Métodos, Análise e Gestão de Projetos, Implantação e Gerência do Programa de Lean Manufacturing (Manufatura Enxuta) e Gestão da Produção.

Forte atuação na coordenação de equipes técnicas, de produção e de gestão industrial. Na docência, possui cinco anos e meio de experiência como professor universitário de diversas matérias do curso de Engenharia de Produção e Administração.

 

 

 

 

 

 

 





Deixe seu comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.

Nenhum comentário