CCULT traz uma programação recheada de novidades em seu espaço de exposições


CCULT traz uma programação recheada de novidades em seu espaço de exposições

10897894_907721669240610_2990175741252944990_n

O Centro Cultural UNISUAM – CCULT traz para o primeiro semestre de 2015 uma programação recheada de novidades em seu espaço de exposições. Ainda há muito o que ser produzido, mas já existem atividades com data confirmada, as quais dão aos alunos e à comunidade uma ideia do que esperar este ano: uma programação cultural e tanto!

 

JANEIRO: Impulso

12/01 a 20/02

A exposição “Impulso” exibe simplesmente trabalhos abstratos cuja técnica utiliza tinta acrílica sobre papel canson, tamanho A3. Foram usados como ferramentas para o nascimento das obras, espátulas, pincéis de diversos tipos, esponjas, pentes, todos visando provocar efeitos visuais ora mais texturizados, ora mais aguados. Em outros momentos, ganharam a simpática e conveniente companhia do pastel, tudo isso colaborando na gestação dessa “família” originada de tinta, papel e criatividade.

 

MARÇO: Rio 450

De 04 a 31

450

A Associação dos Pintores com a Boca e os Pés começou em 1956, quando Erich Stegmann, um artista que pintava com a boca, reuniu um pequeno grupo de artistas com deficiência física de 8 países europeus.

Seu objetivo era ganharem o seu próprio sustento através de seus esforços artísticos e obter uma segurança de trabalho que até então eles não tinham.

Juntando suas habilidades criativas com uma visão de negócios, Stegmann fundou a Associação dos Pintores com a Boca e os Pés como uma organização corporativa que reproduz os trabalhos dos seus artistas, principalmente na forma de cartões, calendários e outros produtos.

O pequeno grupo que ele reuniu no encontro inaugural da Associação dos Pintores com a Boca e os Pés agora cresceu significativamente e representa aproximadamente 800 artistas, em 75 países ao redor do mundo. Um dos principais focos de Stegmann era que a Associação dos Pintores com a Boca e os Pés nunca deveria ser considerada uma instituição de caridade, pelo fato de seus membros serem deficientes físicos. Para Stegmann, a palavra “caridade” era tão abominável quanto a palavra “pena”. A Associação sustenta que não é uma instituição de caridade e não se qualifica para a assistência caritativa.

 

ABRIL: Mês do índio

indio

Uma parceria do CCULT com o Museu do Índio. O Museu do Índio vai apresentar uma exposição com objetos que mostram um pouco da cultura indígena brasileira. São cocares, cestos de palha, armas, vestimentas e cerâmicas, dentre outros.

 

MAIO: Ziraldo

ziraldo

Exposição em homenagem ao cartunista, chargista, pintor, dramaturgo, caricaturista, escritor, cronista, desenhista, humorista, colunista e jornalista, Ziraldo.

 

Junho: Xilogravura – Memória, processo e sonho

xilogravura

Exposição de gravuras feitas a partir de placas de gesso. A mostra cita Goeldi, o maior gravador brasileiro, e o escritor russo Dostoiévski, utilizando uma técnica criada pelo artista e professor, Abelardo da Hora, nos anos 50.

A ideia surgiu da lembrança das gravuras de Goeldi feitas para um dos capítulos da obra de Dostoiévski, “Recordação da casa dos mortos”. A pesquisa se desenvolve desde a confecção da matriz, em gesso, até a produção final em sucessivas impressões, nas quais as figuras vão sendo colocadas, em etapas. A obra, intitulada “O marido de Akulka”, refere-se a um dos capítulos do livro citado. Outros trabalhos que compõem a exposição fizeram parte da pesquisa, antes e após a conclusão.

“O marido de Akulka” é uma história trágica, como de resto todo o livro e a obra de Dostoievsky o são. Reflete a visão e experiência do autor russo, preso político na Rússia Imperial e condenado à morte, tendo sua pena sido revogada a poucos instantes da execução.

As obras de Goeldi que serviram de ilustração para o livro e toda a coleção da Editora Livraria José Olympio (1961) de tal forma complementaram o texto que fica difícil concebê-lo sem essa reunião incrível entre dois grandes vultos da arte e da literatura, tão separados pelo o tempo e tão unidos na sua reflexão sombria sobre a realidade, porém, extremamente poética.

Oswaldo Goeldi (Rio de Janeiro RJ 1895 – idem 1961). Gravador brasileiro, desenhista, ilustrador, professor.

Fiódor Mikhailovich Dostoiévski – Escritor russo. Nascimento: 11 de novembro de 1821, Moscou, Rússia. Falecimento: 9 de fevereiro de 1881, São Petersburgo, Rússia.

Artista: Vlad Da Hora

 

 

 

 

 

 

 





Deixe seu comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Nenhum comentário